Páginas

6 de out de 2010

Um povo à espera do Sassá Mutema?

Mesmo tendo votado na Dilma, fiquei feliz com o resultado excelente da Marina domingo passado. Acho ótimo que as pessoas se dêem conta de que não vivemos num bipartidarismo e que há outras opções. Isso é saudável e democrático. Mas tem um tipo de argumento para votar na Marina, ou melhor, um aspecto desse argumento, eu diria, que, bom, que me deu o que pensar.
Tenho conversado muito sobre política ultimamente. O clima tá propício e no geral eu gosto. É um assunto que me interessa demasiado. E, assim como todos, ouço muita gente dizer que se desiludiu com o Lula e por isso não vota mais no PT.
Desilusão pressupõe ilusão. Eu também me desiludi com o PT, junto com vocês, com o mensalão. Mas aprendi com isso. Cresci com isso. Mudei com isso.
Entendi que ilusão nada tem a ver com política. O que não quer dizer que você não possa sonhar com um país melhor. Você deve. Mas com um governo perfeito? Que não erre? Que não te decepcione nunca? Com um partido perfeito? Sem ninguém mal-intencionado? Nenhum corrupto? Um político perfeito? Um presidente perfeito? Uma pessoa perfeita?
Discupaê: você não tá querendo demais?
Acorda, Alice, isso não existe.
Não estou defendendo corrupto. Tá provado? Não vote mais no cara e acabou. Mas entenda a natureza humana, por favor, cresça, e aprenda que é impossível garantir que todos no governo e no partido serão 100% honestos/competentes dia-e-noite, noite-e-dia quando se chega ao poder. O poder corrompe, ouviu falar? Esta frase não nasceu do nada. Nasceu da observação da natureza humana, a imperfeita e falha natureza humana.
Exija punição para os corruptos. Não vote mais nos que não forem suficientemente punidos. PT ou não PT, se é ficha suja, não votei e acabou. O PT não é pior ou mais corrupto que outros partidos, e quem acredita que este governo é o "mais corrupto da história" nasceu ontem e acredita em conto da Carochinha. Apenas se sabem mais das mutretas agora. O que, na verdade, é ótimo!
Decepcionar-se com um problema é normal. Desistir de um projeto porque ele não perfeito, ou porque as pessoas envolvidas não são perfeitas, a meu ver, desculpa, é querer sempre estar isento de qualquer responsabilidade. É querer se dar o direito de ser sempre contra o governo, votando num candidato que tem projeto vagos e bonitos e que você sabe que não vai ganhar.
Não estou dizendo que todos os eleitores da Marina pensaram assim. Mas percebi que alguns pensaram. Não escolheram a Marina, sequer se deram ao trabalho de estudar seu programa, suas propostas. Escolheram a via fácil e sem responsabilidade.
É fácil votar em sonhos, em partidos que nunca chegaram ao poder. Difícil é, de pedra, virar vidraça. De sonho, virar realidade. Criticar o que é pra criticar e, ainda assim, seguir defendendo o projeto do Partido dos Trabalhadores. Porque, com mais de 30 milhões de ascensões à classe média, o PT provou que esse sonho é possível.